skip to Main Content
aranorteip@aranorte.gov.mz +258 86 267 3180 Webmail

ESPECIAL ENTREVISTA

GESTÃO EQUACIONADA DE RECURSOS HÍDRICOS APOSTADA PARA VENCER COM OS TEATROS DA ESCASSEZ DE ÁGUA.

“Carlitos Omar, Director Geral da Administração Regional de Águas do Norte, Instituto Público, defende que sua instituição está apostada na gestão equacionada e sustentável de Recursos Hídricos como desafios a vencer com a escassez de água na região…Daí que urge a colaboração de todas as esferas sócias”

A ARA-Norte, IP, é uma Instituição da Administração Pública tutelada por Ministério das Finanças e das Obra Públicas, Habitação e Recursos Hídricos. É um Instituto público, alinhado com gestão sustentável de recursos hídricos e de prestação de serviços de categoria “A”. Localizada na província da Zambézia, desde o Rio Namacura, até as províncias de Nampula, Niassa e Cabo Delgado, facto que lhe incumbe exercícios de enormes responsabilidades. Com Sede na cidade de Nampula representa num total de 04 Divisões de Bacias hidrográficas. Sendo Divisão de Bacia de Licungo e Bacias Costeiras, com Sede em Mocuba e Divisão de Bacia de Lúrio com Sede em Cuamba, Divisão de Bacia de Messalo com Sede em Pemba, Divisão de Bacia de Rovuma com Sede em Lichinga.

Carlitos Omar, Director Geral da Administração Regional de Águas do Norte, Instituto Público, defende que sua instituição está apostada na gestão equacionada e sustentável de Recursos Hídricos como desafios a vencer com a escassez de água. Aliás, em nossa entrevista o Director Geral acredita nas mudanças climáticas como uma realidade que já está afectar vários sectores de produção com a escassez de água. Daí que urge a colaboração de todas as esferas sócias. Falando sobre a crise urbana de água que se instalou em Nampula, esta cidade que já foi apelidada por “cidade dos bidões”, na entrevista com Carlitos Omar, disse que a Barragem de Nampula, devido às chuvas da primeira semana de março encaixou a 100% da sua capacidade instalada. Pois, mostrou-se satisfeito com o enchimento da albufeira. Mas, exortou ainda que não se tratava de uma época garantida ou fim do problema de abastecimento de água aos munícipes porque a Barragem de Nampula, que foi construída para satisfazer a população do período colonial. Desta feita, foi concebida para 3.8 milhões de metros cúbicos o que não satisfaz com a demanda actual, devido ao aumento da densidade populacional. Outrossim, para minimizar o impacto da escassez da água na cidade de Nampula durante um período longo, o Gestor dos recursos de água, equacionou numa primeira fase em interagir com o provedor, FIPAG, para baixar dos 40mil metros cúbicos diários captados, passando a captar entre 30 à 32 metros cúbicos.

Contudo, importa salientara que a parte paradoxal deste teatro de escassez de água na região, o incrível explica que a área de jurisdição da ARA-Norte, IP, é a região com maior disponibilidade de águas no país. E o grande “carcanhal de Aquilis” é apenas a disponibilidade do sistema de abastecimento de água como a falta de infraestruturas de armazenamento deste precioso líquido.

Soluções equacionadas face aos teatros da crise Urbana de água na região 

Quanto a estes desafios, Carlitos Omar, vinca que devido as mudanças climáticas que já estão à vista a ARA-Norte, como Instituto Público, tem a missão de procurar doadores ou partes interessadas para construir-se mais infraestruturas de armazenamento das águas, visto queultimamente, as épocas chuvosas são irregulares e deixando a desejar! A título de exemplo falou de soluções da crise urbana de água, instalada na “Capital do Norte”, que passa necessariamente a curto prazo com a captação de águas subterrâneas de 10 furos indústrias com maior produtividade, construídos no Bairro Namiteca, com capacidade de quase confrontar com a quantidade de água da albufeira de Nampula. A médio prazo, aposta-se na construção de mais furos de água, mas, duvidando ao processo complexo da litologia de Nampula, o Director Geral, ainda aponta que se apenas se apegarmos aos furos poderá haver um risco de ter-se furos não bem produtivos. Logo, a solução definitiva a longo prazo, equaciona-se coma construção de Barragem, em três locais já identificados em Saua-Saua, Meluli, e Mucojo. Sendo Meluli o local ideal.

Panorama sobre estagio das disponibilidades de recursos hídricos em outros grandes centros urbanos na região

Sobre o cenário das principais fontes de abastecimento de água na área sob jurisdição da ARA-Norte, IP, o Director Geral, deu à conhecer que na Zambézia depende de águas superficiais e subterrâneas, em Niassa águas superficiais apesar de ter ainda problemas de armazenamento, há esforços envidados de conclusão da Barragem de Locomué para reforçar o abastecimento de água. Em Cabo Delgado abasteci com águas subterrâneas, e para já se aguarda de um projecto que irá decorrer para aumentar a capacidade de água.

Daí que para nos subsidiar sobre o panorama de alguns principais centros urbanos, Carlitos Omar disse que em Mocuba já conta com inauguração de mais um novo sistema de abastecimento com água abundante na confluência entre Rio Lugela e Licungo. Em Gurué, é uma zona com potencial hídrica elevada, devidas as suas características fisiográficas que faz dela uma cidade com abundância de água sem escassez. Para a cidade de Cuamba, é abastecida por Barragem de Mitucué, com capacidade de 1 milhão de metros cúbicos, também serve para produção de energia. Sendo que no período, seco em Cuamba, há problemas de abastecimento de água também, por causa do aumento da densidade populacional. Para Nacala, os desafios estão na extensão da rede de abastecimento de água. Segundo o DG, deu-nos ainda a conhecer no dia 22 de março, dia mundial de água, momento da entrevista que a Barragem de Nacala, encontrava-se à 90% e o FIPAG, apenas conseguia tirar 07 mil metros cúbicos diários dos 25 mil metros cúbicos da capacidade equacionada pela ARA-Norte, IP. Contudo, espera-se por Projecto Wasis2, financiado por Banco mundial que irá fazer a extensão às cidades de Nacala-Porto e Nacala-à-Velha. Na cidade de Pemba, o abastecimento de água não está mal, através de furos consegui fornecer uma parte considerável da população e acrescentando o Director Carlitos Omar disse a nossa fonte que existe um projecto aprovado para melhorar com à capacidade de abastecimento de água. Enquanto “Para cidade de Montepuez há algumas dificuldades, mas, nos como ARA-Norte, IP, através da embaixada da Holanda, estamos a preparar ao longo deste ano um estudo sobre o aquífero de Montepuez e Pemba” afirmou Carlitos Omar.  

This Post Has 0 Comments

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.